HUMAN LAB

My very first step in this research was looking for “natives”. I will explain myself better, I study Social Sciences and I'm leading a scientific initiation project in Anthropology of Science whose theme is the participation of the team Protomatos in the Biomod competition. I ventured myself into the world of synthetic biology, exchanging ideas by talking to people and outlining a initial glossary of essential things I needed to understand. And see that it wasn’t small matter: around february I could explain anyone the difference between ontology and epistemology without any problem and with a great wealth of details, but if someone asked me the difference between DNA and RNA... no, I could not answer this question.

I asked some people, especially scientists involved with biohacking, to read my project. One of them made ​​me two criticisms, which at the time I did not know how to contest. The first and more simple one, but somewhat controversial, was if I could reach any valid conclusion with such a small sample (10 students). The second one, more tricky, was why I chose to study this group, that was technically inferior in relation to major scientific centers in the world. Now, with a deep and intense fieldwork done, I feel appropriate enough to discuss about these points.

Anthropology is not about conclusions, it's about translation. We create stories from the contact between different worlds, and precisely from these differences, weave comparisons. In this way we try, with the meager resources we have (our favorite resource is the word), to make the invisible visible, thus marking an experience of the encounter. About the same as in an electrophoresis when in a dyed horizontal dash we can see our nanocages and finally caught up with them.

After very little time I found myself immersed in the project. But “meeting” means a two-way street, so why after all I have been accepted and incorporated in this team in such a good way? And remember, I am a lay in this area. Actually, the answer is simple: because the translation is important, moreover, it is fundamental when the focus is to make Open Science for real. Indeed, I realized that I was a connection to the "outside world", and if something was not clear to me, this should be explained and re-explained. And it is here, in this exchange, where all the power of inter/post/in-disciplinarity remains: at the same time I would speak of self assembly and DNA origami to my parents, and of the Wajãpi’s multi-naturalism for Erico and Danilo, respectively students of chemistry and biomolecular physics.

And speaking of Wajãpi, I actually think that all members of our team are somewhat Shamans. For many Amerindian groups, the Shaman is the one who has the ability to float between worlds. He is the bridge that puts in contact the owner of the forest, the jaguar, the Indian, negotiating skills. Rita, designer, translated into lines and colors what Fernando, physicist, expressed with formulas and numbers. Find, negotiate, translate. All this movement is far from a static notion of "conclusion", because both “traduzir” and “trair” (portuguese of “translate” and “betray”) has the same etymological root, that is, the misunderstanding is always present.

This experience tension is a creative power. And at this point I answer to the second question I was asked. Like me, those who study anthropology, have a fascination for what is not established, we are charmed by the marginal and, since the contact with each other is the basis of our work, perhaps the marginal also be enchanted for us. I did not choose this team, we chose each other. From them, I believe for the reasons I explained above. I, on the other hand, because I am charmed with the power of transformation that emerges from conflict. And both conflict and transformation were very present in these months, since the beginning of our project.

In the liminal, in the cracks where the hierarchies and positions of power are questioned, it is the place where it is possible to act, create and move the structures. And how much fun would be looking at the large scientific centers? Okay, there they - or you there - also has its conflicts and negotiations, all scientific work has and this is interesting. However, it is magical to observe a seed sprout, grow and spread so fast. Go to the acknowledgments page, see how many people helped us. By the time of my writing we had nearly 300 donors in our crowdfunding, coming from every corner of Brazil. We came out in three major national news portals, we received help from artists, postdocs, scientists from other countries, electronic music DJs and we even gave one of our "crafts" to one of the greatest molecular and celular biology textbook writer.

Finally, I must make a confession, a little uncomfortable but I would not forgive myself if I did not do. The title of this page is wrong, purposely wrong. The more correct would be, who knows, "hybrid lab", since nothing that is written here is about humans among themselves. We are not only us, but in fact we are we and everything around us, and in particular the DNA and the nanocages, which were not mere passive agents of our supreme will. I open my field notebook, I find the notes of a meeting in June with professor Cristiano Oliveira, who tells us how the cages like to stay close from each other. A few months later in a conversation, Lucas, student of biomedical sciences, reaches the following conclusion: molecular biology is an esoteric and temperamental little beast.

Multiplicity. Until now, days before embarking for the jamboree, this is the most amazing discovery that I made in this whole trajectory, which already bears fruits. The will that united and sewed our team was a pioneer doing, whether in the design proposal we have developed, that included techniques underexplored in Brazil, or in achieving a real and wide ranging level of democratization on what we have done. The difficulties we went through, related to infrastructure, technology, financial, human and nonhuman resources, were conflicts that resulted in creativity and transformation, both in each one of us and in the framework of the scientific research itself, since we are the first South American team to participate in the Biomod competition.

This is an independent assay. Some references that assisted the execution of this text are listed below.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. 2010. Cultura com aspas. São Paulo, CosacNaify.

CLIFFORD, James. 1988. The predicament of culture. Cambridge, Harvard University Press.

HARAWAY, D. “A Manifesto for Cyborgs: Science, Technology, and Socialist Feminism in the 1980s”. Socialist Review, v. 80, pp. 65-107, 1985.

LATOUR, Bruno. 1991. Nous n ́avons jamais été modernes. Paris, La Découverte. (Trad. Port. Jamais fomos modernos. São Paulo, Editora 34, 1994.)

MARCUS, George & FISCHER, Michael. 1986. Anthropology as cultural critique. Chicago, Chicago University Press.

STRATHERN, Marilyn. The gender of the gift. Berkeley, University of California Press.

TURNER, Victor. Liminal to Liminoid, in Play, Flow, and Ritual: An Essay in Comparative Symbology. Rice Institute Pamphlet - Rice University Studies, 60, no. 3 (1974): http://hdl.handle.net/1911/63159.

TURNER, Victor. 1966. The ritual process. Ithaca, Cornell University Press.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 2002. “O nativo relativo”. Mana 8/1, pp. 113-148.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. “Os pronomes cosmológicos e o perspectivismo ameríndio”. In Mana, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 115-144, out. 1996

 

 

 

We chose to maintain this assay also in Portuguese in order to preserve the richness of speech developed by the author

Meu primeiro passo nesta pesquisa foi procurar pelos “nativos”. Vou me explicar melhor, estudo Ciências Sociais e tenho um projeto de iniciação científica em Antropologia da Ciência, cujo tema é a participação do time Protomatos na competição Biomod. Fui me embrenhando pelo mundo da biologia sintética, conversando com pessoas e esboçando um primeiro glossário das coisas essenciais que precisava compreender. E, veja bem, não era pouca coisa: lá pro mês de fevereiro eu poderia sem nenhum problema e com riqueza de detalhes explicar a qualquer um a diferença entre ontologia e epistemologia, mas se alguém me perguntasse a diferença entre DNA e RNA… não, eu não saberia responder.

Pedi para algumas pessoas, em especial cientistas envolvidos com biohacking, lerem meu projeto. Um deles me fez duas críticas, que na época não soube contestar. A primeira, mais simples porém um tanto polêmica, foi se com uma amostra tão pequena (10 estudantes) eu conseguiria chegar a alguma conclusão válida. A segunda, mais capciosa, foi porque eu escolhi pesquisar este grupo, um grupo que era tecnicamente inferior com relação aos grandes centros científicos do mundo. Agora, com um profundo e intenso campo realizado, me sinto apropriada o suficiente para falar um pouco sobre estes pontos.

Antropologia não é sobre conclusões, é sobre tradução. Criamos histórias a partir do contato entre mundos diferentes, e justamente a partir destas diferenças, tecemos comparações. Desta forma tentamos, com os míseros recursos que temos (o nosso preferido é a palavra), tornar visível o invisível, marcando assim uma experiência do encontro. Mais ou menos como na eletroforese, quando em um tracinho horizontal colorido vemos nossas nanocages e finalmente nos encontramos com elas.

Após pouquissimo tempo me vi mergulhada no projeto. Por encontro entende-se uma via de mão dupla, então por que afinal fui tão bem aceita e incorporada a este time? Eu, uma leiga. A resposta é simples: porque a tradução é importante, aliás, é fundamental quando se pretende fazer Ciência aberta de verdade. Percebi que eu era de fato uma conexão com o “mundo lá fora”, sendo que se algo não ficasse claro para mim, isso deveria ser explicado e re-explicado. E é ai, nessa troca, que está guardada toda a potência da inter/pós/in-disciplinaridade: ao mesmo tempo em que falava de self-assembly e dna origami para meus pais, contava sobre o multinaturalismo dos Wajãpi para o Érico e o Danilo, estudantes de química e física biomolecular.

E por falar em Wajãpi, acho que na verdade todos do nosso time são um pouco xamãs. Para muitos grupos ameríndios o xamã é aquele que tem a capacidade de flutuar entre mundos. Ele é a ponte que coloca em contato o dono da floresta, a onça, o índio, negociando conhecimentos. A Rita, designer, traduziu em linhas e cores o que o Fernando, físico, expressou com fórmulas e números. Encontrar, negociar, traduzir, todo este movimento está muito longe de uma noção estática de “conclusão”, até porque traduzir e trair tem a mesma raiz etmológica, ou seja, o equívoco está sempre presente.

Esta tensão da experiência é uma potência criativa. E neste ponto respondo à segunda questão que me foi colocada. Nós, que estudamos antropologia, temos um fascínio pelo que não é estabelecido, nos encantamos pelo marginal e, já que o contato com o outro é a base de nosso trabalho, talvez o marginal se encante por nós. Eu não escolhi esse time, nós nos escolhemos mutuamente. Acredito que eles pelos motivos que expus acima, já eu por me encantar com o poder de transformação que emerge do conflito. E ambos, conflito e transformação, estiveram muito presentes nestes meses desde o início do nosso projeto.

No limiar, nas frestas, onde as hierarquias e posições de poder são questionadas, é o lugar onde se torna possível agir, criar e mover as estruturas. Que graça teria olhar para os grandes centros científicos? Tudo bem, eles lá (ou vocês ai) também tem seus conflitos e negociações, todo fazer científico tem e isso é interessante. Porém, é mágico observar uma semente brotar, crescer e espalhar tão rápido. Vá para a página de agradecimentos, veja quantas pessoas nos ajudaram. Até o momento em que escrevo tivemos quase 300 doadores em nosso crowdfunding, oriundos dos quatro cantos do Brasil. Fomos notícia em três grandes portais nacionais, recebemos ajuda de artistas, pós-doutorandos, cientistas de outros países, djs de música eletrônica e até demos um de nossos “artesanatos” para o escritor do maior livro de biologia molecular e celular!

Por último, tenho que fazer uma confissão, um pouco incomoda mas não me perdoaria se não a fizesse. O título desta página está errado, propositalmente errado. O mais correto seria, quem sabe, “hybrid lab”, já que nada disso que está escrito aqui diz respeito a humanos entre eles mesmo. Não somos somente nós, mas sim nós e tudo que nos cerca, e em especial o DNA e as nanocages, que não foram meros agentes passivos de nossas vontades supremas. Abro meu caderno de campo, acho as anotações de uma reunião no mês de junho com o professor Dr. Cristiano Oliveira, que nos conta como as cages gostam de ficar pertinho uma das outras. Alguns meses depois, em uma conversa o Lucas, estudante de ciências biomédicas, chega a seguinte conclusão: biologia molecular é um bichinho esotérico e temperamental.

Multiplicidade. Até agora, dias antes de embarcar para o jamboree, esta é a mais incrível descoberta que fiz em todo este percurso, que já dá frutos. A vontade que uniu e costurou nossa equipe foi a de um fazer pioneiro, seja na proposta de design que desenvolvemos que incluiu técnicas pouco exploradas no Brasil, seja em alcançar um nível real e abrangente de democratização do que fizemos. As dificuldades que passamos, de estrutura, de tecnologia, de recursos financeiros, humanos e não-humanos, foram conflitos que resultam em criatividade e transformação, tanto em cada um de nós quanto no âmbito da própria pesquisa científica, uma vez que somos a primeira equipe Sulamericana a participar do Biomod.